EXCERTO DE PROGRAMA DE RÁDIO SOBRE ENVELHECIMENTO

EXCERTO DE PROGRAMA DE RÁDIO “FILOSOFIA É LIBERDADE” SOBRE ENVELHECIMENTO


Envelhecimento

Sêneca já dizia que a filosofia sã ensina a viver de modo correto. Eu diria que ensina também a envelhecer de modo correto. Pois o filósofo não guarda apenas a própria idade, mas soma as demais idades de outras pessoas. Envelhecer para nós é assim um modo de manifestar ainda mais a imagem da sabedoria, e ao contrário da cultura que afasta de todos os modos o envelhecimento, temos que ele é necessário a que possamos compreender os processos naturais de uma certa lei natural de extinção. O filósofo funda uma doutrina que lhe torna jovem de novo, pois são os jovens que manifestarão a sua doutrina, a revivendo em seu espírito.
 A própria lei quer aposentar o velho quando o velho não mais envelhece. Tudo é um estado mental, um estado de espírito. Tem idoso pulando de pára-quedas, andando de skate, indo a balada e surfando, e tem por outro lado idoso preso a uma cadeira de balanço e resolvendo palavras cruzadas – a escolha perfeita e o comportamento é a chave de se querer envelhecer de forma saudável ou de se buscar a depressão. Um aluno de educação física, em uma entrevista na TV, falou sobre ter feito um trabalho de exercício físico com idosos que possuíam depressão e teve bons resultados.
Envelhecer é também uma crença, um modo de vida onde se entende estar já em fase de descanso. Muito pelo contrário, o trabalho mental de um idoso deveria ser dedicado a sabedoria. Ele deveria ser o exemplo de segurança e de força. Em culturas orientais, primitivas e indígenas, mesmo na judaica, a lição dos mais velhos é levada em conta com primeira importância. É o ancião, aquele que toma as decisões pela sua comunidade ou tribo. A sua metanarrativa é mais lapidada que de uma pessoa jovem, na maioria das vezes. Como disse Sêneca: “idade nenhuma o abala nem o faz decrescer”.   
O problema não é a idade que se avança, mas a ocupação fútil do tempo. Usar muito de ociosidade sem algum tipo de produção, diminui o espírito, faz do ser algo sem sentido, um quase nada. E envelhecer sem ter um passado glorioso faz da pessoa alguém sem fatos para contar, sem aquele motivo do exemplo para sua família, netos e bisnetos. Uma pessoa que ocupa bem seu tempo não pensa no envelhecimento, mas brilha na sua alma que trabalha a todo o vapor. Mesmo o exemplo de Oscar Niemeyer, o arquiteto que é mais um artista, nos revela essa dinâmica do envelhecer apenas na mera aparência.  Dizia Cícero que: “ a velhice só é honrada na medida em que resiste, afirma seu direito, não deixa ninguém roubar-lhe seu poder e conserva sua ascendência sobre os familiares até o último suspiro.
Muitas pessoas afirmam que em sua terceira idade estão mais felizes que quando jovens. Talvez por terem menos preocupações, por poderem fazer o que gostam e nunca tiveram oportunidade, seja pela obrigação de sustentar uma família e ter de trabalhar pela renda, ou seja, por estarem indecisos. Na terceira idade não mais há tanta indecisão, e as coisas são mais usufruídas, não a pressa da juventude. A linguagem do Saturno, do tempo se revela mais agradável, e alegria que foi durante a vida buscada pode ser usufruída. Muitos voltam a ser crianças, a sorrir por motivos antes banais. Já se tem nessa fase aprendido a viver plenamente. Não ficar rabugento, não reclamar das coisas, entender as limitações físicas – isso tudo faz do envelhecer algo mais compreendido, e cada vez mais vivemos mais tempo. “Assim como o vinho, o caráter não azeda com a idade” (Cícero)
O valor da vida não está na duração, mas no uso que dela pode ser feito. Não se deve assim se preocupar com o que fazer para viver mais, mas manter a boa saúde, o equilíbrio e acima de tudo aproveitar a vida. Em meu livro Reflexões Gerais eu disse que o maior valor é curtir a vida. E na terceira idade isso também é válido, mesmo que de um modo talvez diferente da infância, adolescência ou juventude, mas mesmo assim é cada momento algo que deve ser vivido plenamente. Nunca se é tarde para realizar sonhos. Um único dia pode ser do tamanho de uma vida. Quantas vezes não pensamos que dia maravilhoso vivemos e que bom é um momento especial, que justifica viver e nos enche de felicidade.
            Com a redução do número de filhos está aumentando o número de idosos em proporção na sociedade. Assim a sociedade tem de repensar o seu papel junto a pessoas muitas vezes com limitações físicas, cuidados especiais com corrimões e apoios em locais onde seja necessário, como banheiros e assim por diante.  
Talvez o maior choque do envelhecimento seja a proximidade da morte, mas não sabemos da hora da morte. Então é a ilusão e a imaginação de pensamentos negativos que são alimentados o verdadeiro temor, não envelhecer. Pensar positivo é a chave em qualquer fase da vida, e ser feliz depende sobretudo disso, dessa forma de se alimentar o subconsciente. A alma não envelhece – essa deve ser a primeira certeza de uma pessoa.
E aprender e conhecer o novo e sempre uma forma do velho se tornar novo, e encontrar a fonte da juventude, a pedra filosofal dos alquimistas. E como dizia um escrito antigo hermético, toda a alquimia é mental. A lição da moral dos antigos é sobretudo muito salutar a jovens e adolescentes, e na educação das crianças é o velho que acaba dando as lições mais pragmáticas.
O cuidado e a atenção para com a melhor idade é tanta que a própria lei vem se transformando. Fala por si o Estatuto do Idoso, que além de garantir vagas gratuitas em ônibus, 2 vagas gratuitas para quem recebe menos de 2 salários mínimos, e 50% de desconto na passagem ainda para aqueles que não puderem estar nessas duas vagas. E 5% em estacionamentos. Também para quem não tem renda há um benefício assistencial de receberem 1 salário mínimo, não sendo aposentadoria, logo não dependente de contribuição. Isso sem falar em prioridade em filas e processos, no seu atendimento.
O programa Filosofia é Liberdade vai ao ar na rádio liberdade, às 21:40 do sábado

Comentários

  1. Caro senhor Doutor Mariano Soltys: que bom que você publicou este texto. É de grande direito a defensão dos direitos jurídicos e existenciais do idoso. Continue divulgando nosso trabalho. Sucesso em sua carreira de escritor. Que quando estivermos em idade avançada tenhamos muitas letras e livros vendidos a comemorar. CLÉVERSON ISRAEL MINIKOVSKY

    ResponderExcluir
  2. Disse tudo, gosto muito de ler seus textos.

    ResponderExcluir
  3. bom dia cleverson .. E mirian....e agradeco pelos comentarios e sao vcs q me estimulam a escrever mais e a levar em frente meu dom de ser pensador. Agradeco tambem a helena que le tudo que escrevo e a berenice que tambem ocupa seu jovem tempo com esses blogs. Obrigado a vcs.

    ResponderExcluir
  4. Só temos duas escolhas, morrer jovem ou envelhecer,ter hábitos saudáveis é o caminho pra uma velhice tranquila. Boa velhice pra nós então.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Medicina Oculta – Comportamentos que geram doenças

Por que às vezes nos achamos feios?

Paradoxos e mentiras do nosso tempo