Silêncio, solidão

Solidão...? Tô Fora!


Eu estava lendo um livro sobre depressão e entre motivos que colaboram, fora desemprego, luto e outros, é a solidão. Não sou depressivo, mas por outro lado me admiro como suportei tanta solidão. Certamente a falta de popularidade me acompanha durante a vida, seja na juventude que não curti, seja na maturidade que ainda vem amarga. Contudo, venci a solidão com a ataraxia (ser imperturbável).

Aconteceu que fui esses dias a locadora a fim de procurar um filme de comédia e percebi que todos que lá estavam eram casais. Sorrateiramente saí então, sem alugar algum título ou tratar do livro que escrevi sobre filmes, para lá colocar à venda. Sim, escrevi um livro sobre filmes, Filmes e Filosofia, comentando vários de diversas épocas, inclusive sobre amor. Essas críticas de filmes podem ser vistas em meu blog www.filmesefilosofia.blogspot.com.br.
 
 
 
que a minha solidão me sirva de companhia...

Mesmo sendo simpático, paciente e humilde, pareço desinteressante. Ajudo as pessoas, sou honesto. Por outro lado, na TV essas semanas se comentou de mulheres apaixonadas por um galã virtual, que as enganavam, de modo a conseguir vídeos sensuais delas e as chantagear. Esse tipo de galã parece atrair. Noutro caso, um rapaz foi enganado em Curitiba, pulando de prédio. Lembro-me de personalidades da história que foram sozinhos, e parece que entre os mais curiosos estão filósofos. Schopenhauer lançou a moda de criar poodles, Nietzsche disse a amigo casado que enquanto esse possuía um ninho, ele vivia numa caverna, e Kant morreu casto (que é palavra que surge de castigado).

Também o silêncio é meditativo, tem certas propriedades curativas. Silencia a mente e o corpo. Penso, por outro lado, nas pessoas que se vêm sempre acompanhadas, assediadas e envoltas em mil tentações, certamente seria difícil a elas conhecerem a meditação. A reflexão da humanidade começou pelo conhecimento de si mesmo. E quem tem muito corpo, acaba por esquecer de sua razão. Ademais, o envelhecer mesmo acaba importando em solidão. Filhos e netos crescem, se afastam. A companhia acaba por se tornar mais amizade, e apenas o que é verdadeiro permanece. Vejo eu porém ficando cada vez mais jovem. O que antigos chamavam de elixir da longa vida, e parece que alguns padres também encontraram intuitivamente essa poção. Fato é que a fonte da juventude está em alguma forma de sublimação.
 
 
solidão palavra triste a amargurada por quem a sente sentimento ...

No pensamento oriental há na linhagem dos brahmades a noção que o homem se casa, tem filhos, e por fim na vida tem de estar sozinho. E ficam voluntariamente, se afastando de esposa. Essa lá a casta mais elevada. Talvez esteja o preparando para um paraíso onde não há esposas. Fato é que isso está também descrito no livro Apocalipse da Bíblia. Isso se contrasta com uma sociedade de prazeres e conquistas. Vivemos para comprar e para nos satisfazer, no ocidente. Então a solidão não é um problema, mas uma prova para o apego e para quem não realmente se conhece. A companhia de Deus é a maior companhia. Se mestres como Jesus, Buda, Krishna, Zoroastro e tantos outros foram sozinhos, estranho condenarmos a solidão.



solidão não é a falta de gente para conversar namorar passear ou ...


O silêncio e a solidão podem ser uma cura. Na Bíblia, São Paulo questionado sobre casamento, a respeito de mulheres sozinhas, disse que elas eram esposas de Deus. O Alcorão diz que o casamento é metade da religião. Mas nossa cultura pós-moderna exige muito para que as pessoas se abracem ou tenham presença. O mundo virtual parece com suas redes sociais ter gerado esse problema, e quem não agrada aos olhos, é consequentemente deixado de lado. Mas não fosse o tempo que tive em isolamento, certamente não teria escrito 32 livros, e sabendo tantas coisas. Todas as coisas reservam qualidades e um lado positivo. Há muito casamento em crise e mentiroso. E nossa sociedade gosta de de manter com muitas máscaras.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Medicina Oculta – Comportamentos que geram doenças

Por que às vezes nos achamos feios?

Paradoxos e mentiras do nosso tempo