Cartas de um filósofo

Cartas de um  filósofo 




"O determinismo e inatismo talvez não sejam nem mera probabilidade. Assim não precisamos ser europeus, norteamericanos, brancos ou qualquer coisa: basta que filosofemos. A desculpa de preconizar a razão, ou mesmo alguma tradição também não interessa, o que importa é ter um discurso, e temos o nosso. Por isso falei de instinto e emoção, que sempre ou quase foram colocados de lado na filosofia moderna, com seu quase geral racionalismo. Mas a filosofia sempre teve a tendência a se universalizar".
 
 



 


"Já no que superou o animal, o homem quer um dia ainda superar a si mesmo, os seus erros. De certo modo isso antes estava restrito a sacerdotes, xamãs, feiticeiros, magos etc, mas com a informação e com certa evolução em massa, seja pela educação obrigatória, seja por uma sociedade mais centrada na razão, e até informação enlatada, vemos na filosofia o acesso a quem assim queira, sem votos de castidade ou conversões, ou mesmo sem crença em Deus".
 
 
 

"Muitas religiões se tornaram verdadeiros mercados, devendo ser respeitados apenas os crentes ou fiéis. A ciência também busca muitas vezes não a verdade, mas algo que sirva a interesses seja de grandes organizações ou mesmo militares. Porém, a filosofia muitas vezes não está adstrita a academia, sendo produto muitas vezes de uma mente brilhante, no seu quarto escuro, como Spinoza e suas lentes, ou de um místico e humilde dono de uma sapataria, como Jacob Boehme, ou mesmo no castelo de Montaigne, com seu sino que tocava pela madrugada e frases filosóficas escritas no forro".
 


 
 
 

"A verdade é que o mundo sofrerá grandes transformações e que nós somos filósofos desse tempo, de informação abundante, consumismo, uma tecnologia que de hoje não vale mais amanhã, pensamento que se altera de acordo com gostos. A opinião virou moda. Doxologia pura. A universidade virou um bem de consumo, por isso já combati de longa data esse sistema, acho que temos de buscar outras formas de conhecimento profissional, sei lá, talvez corporações de ofício. A escola também tem de ser um local mais virtual, e de diversão. Não mais se terá de frequentar uma cela com um professor todo poderoso. O diálogo deve imperar e qualquer coisa a criança é levada as autoridades. A família não é mais família, os pais são mais padrastos e tios que outra coisa. A moral acaba entre quatro paredes e o prazer sexual está acima de muitas escolhas, vemos no povão esses caminhos sendo seguidos, mesmo pelos mais tradicionais. O mundo virou um só povo, mas de diversificada opinião, seja com uma moeda, língua ou governo".
 
De Livro "As 70 cartas do baralho filosófico"


 
 

Comentários

  1. Muito bom. Vejo como algo totalmente positivo a Universalização da Filosofia. Assim teremos cada vez mais pessoas capazes de desvendar os vários mistérios acerca do nosso mundo e até capazes de torná-lo melhor, sendo que este é um dos objetivos da Filosofia, conhecer, desvendar. Sonho com o dia em que sejamos um povo unido, não para universalizar a ponto de falarmos a mesma língua e termos as mesmas opiniões e conceitos, mas para que todas a nossas diferenças possam vir a ser respeitadas. Um belo texto amigo, abraços.

    ResponderExcluir
  2. Que bela esplanação. Sempre profunda e tenaz, vejo que engrandece meus artigos a sua contribuição teórica. Volte sempre e esteja sempre livre a comentar. Vejo que a filosofia é mais importante e que mesmo economicamente, e que um dia se terá essa ressalva de lhe prestar homenagens.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Medicina Oculta – Comportamentos que geram doenças

Por que às vezes nos achamos feios?

Paradoxos e mentiras do nosso tempo