Panlogia como pensamento transcendente

Panlogia como pensamento transcendente

Mesmo com a fantasia das religiões e com as histórias duvidosas de seus fundadores, profetas e santos, vemos que a lição que resta desses mestres tem seu fundamento místico, sendo uma forma de transcender o pensamento comum da humanidade. Resta a sabedoria e o aspecto prático de tais crenças, seja em que civilização seja. Mesmo na presente, que em muito não tem nada de original, vejo que a Panlogia tem algo a beber, pois a fonte leva algo de inspirador. A cura maior é alcançada. Não apenas sob ponto de vista físico ou médico, mas sob ponto de vista espiritual. Vemos uma série de mentiras sendo defendidas, mas porém as pessoas felizes por se integrarem em uma visão comum, de acordo com sue capacidade intelectual. Não estão erradas. Depende sempre o foco e o nível de consciência. Não devemos condenar religiões antigas, do mesmo modo, pelo nosso atual ponto de vista e atual desenvolvimento social. Aquilo que vem para o bem da sociedade sob ponto de vista ético é válido, mesmo que seja mera fantasia sob ponto de vista histórico ou científico. Importam mais a felicidade e a plenitude existencial das pessoas. Assim também aqueles que nada acreditam conseguem conforto ao encontrar a Panlogia, porque ela não obriga a acreditar em nada, nem promete salvação por meios exteriores, mas sim por meio de si mesmo e do autoconhecimento e vivência, especialmente vivência. Se uma pessoa quer ficar na academia transformando seu corpo, a Panlogia apoia, e amplia seus conhecimentos. Se a pessoa deseja encontrar muitas aventuras sexuais, a Panlogia apoia, e mostra que há uma espiritualidade no sexo, que há outras formas de ver as coisas. A Panlogia não vem para propagar mentiras que atrapalhem a vida das pessoas, mas quer que cada uma encontre a sua verdade, e o resto não importa. A verdade de cada um é sua genialidade. Mas isso não se refere a campo intelectual, por vezes. Foca-se pelo contrário, mais no emocional e no relacionamento. Consigo mesma, por sinal. O panlogista está à frente de seu tempo. A tradição que o interessa é aquela que o liberta, não a que escraviza. Como já foi dito, não interessa evitar a mentira, mas sim tornar essa mesma como uma forma de verdade. Interessa a felicidade, o equilíbrio e a saúde. Cada época tem a sua verdade. Então a medida em que o ser humano for evoluindo,m as suas crenças se transformarão. A religião de hoje não tem nada em comum com aquela de 2000 anos atrás. Impossível é que fosse diferente. O que a Panlogia faz é que o estudante de tudo veja que esta totalidade da história se resume nele mesmo, e que o mesmo não deve desperdiçar a experiência, mas sim viver melhor e proporcionar o melhor em sua sociedade. Não deve de forma alguma ir contra a sua vontade,. Por causa de fantasias e mitos, a não ser que acredite nesses mitos em seu favor. Como falei, os mestres de todos os tempos fundaram pensamentos transcendentes e metafísicos, e assim superaram o comum da humanidade, mesmo em meio a tradições religiosas. Assim o Panlogista buscará o Todo e para tanto construirá sua própria crença pessoal, adaptando o existente e estando satisfeito e seguro no que defende, pois é seu corpo e sua alma que defendem. Não adianta um ser ir contra ele mesmo, ou contra sua capacidade. Cada um terá sua busca e estará certo. Não existe o errado. Desde que não se contrarie leis sociais, nada há de errado em buscar o diferente. Interessa se amar. Panlogia é uma espécie de autoamor, Panlogia é amor em todas as suas formas. Mesmo o amor sexual é muito importante ao panlogista, seja ele de que natureza sexual seja. Mas sempre buscará uma transcendência rumo ao seu melhor, ao seu gênio e a sua liberdade e vontade verdadeira. Por isso pesará todas as coisas e encontrará o que lhe interessa, seja isso proveniente de visões mágicas, materiais, tecnológicas, científicas, fabulosas ou o que estiver ao seu dispor. Cada um será o que for, o seu próprio sacerdote e profeta. Esse é o novo tempo, e não adianta ir de encontro a esse tempo. Não mais existem escravos, a não ser aqueles que desejam ser escravos. Panlogia liberta. Mas quem quiser fazer o que quiser, o poderá. Não é a forma com que faz que mudará as coisas, mas a pessoas estar bem. Estando bem, se está certo. Todo o contrário é um equívoco. Que cada um acredite no que quiser, apenas restando que as palavras de sabedoria e a mística por trás dessas crenças guarda um valor maior que a própria tradição e seus dogmas, principalmente os institucionais.

Comentários

  1. Parabéns pela postagem! A Panlogia parece bem interessante...Alguma sugestão de leitura sobre esse tema?
    bj

    Taty (Amenti)

    ResponderExcluir
  2. A PROPOSTA TATI E UNIR TODOS OS SABERES..UMA GRANDE SINTESE..MISTURANDO CIENCIA..FILOSOFIA..MAGIA..SUPERTICAO..FE. PRATICA.. VIVENCIAS ETC. UMA PRATICA DE TODOS

    ResponderExcluir
  3. Mariano Soltys: pelo aroma que está saindo deste caldeirão o negócio vai ficar bom. Continue escrevendo. Precisamos do que você escreve. CLÉVERSON ISRAEL MINIKOVSKY

    ResponderExcluir
  4. ADOREI O CALDEIRÃO.. E PARECE COM A SUA FILOSOFIA DO COMPORTAMENTO.. APESAR QUE O FIM DA MINHA É MEIO QUE AFIRMAÇÃO DE TODAS AS METANARRATIVAS,.. E NÃO ELEGER UMA METANARRATIVA COMO A MELHOR. ABRAÇO

    ResponderExcluir
  5. Todos temos a nossa própria razão, logo, esatamos certos ou errados de acordo com nossa razão. (Pensamento de Heráclito). Socialmente falando, agir de acordo com a própria razão, estandos correto de acordo com ela, pode nos levar a tropeçar em que nos julgue errado pela sua razão, que pode ser diferente... A panlogia tem a capacidade de unificar as razões do todo, transformando-a assim em razão universal, mas o mais importante, é que mesmo sendo universalmente, a panlogia consegue manter a razão de cada um. Muito interessante Mariano, adorei. Abraços.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Medicina Oculta – Comportamentos que geram doenças

Por que às vezes nos achamos feios?

Paradoxos e mentiras do nosso tempo