Cura

Cura


A cura vem quando a doença não tem mais a função que deveria ter. A função das doenças é fazer refletir, é para que o ser se foque em algum padrão negativo de pensamento ou de comportamento. E a doença se origina em algum desequilíbrio, mais do que do corpo físico.
Vemos que a doença quer dizer algo. Muitas vezes algum mal que antes parecia incurável desaparece misteriosamente. Assim foram minhas fobias, por água e por dirigir. Muitas doenças se devem a heranças genéticas, a padrões antes familiares, por traumas e comportamentos inatos, ou reações que se formaram ao longo de gerações (medo de dirigir pode ser um antepassado que caiu de cavalo..). Assim entende a nova medicina germânica, de Dr Hammer, pela leitura biológica, feita muito por eletroencefalograma, onde se descobriria bioprogramantes, padrões de reação a traumas onde seriam criadas as doenças, ou despertadas. Há então uma memória evolutiva que cria as doenças como forma de se proteger de riscos a vida e sua manutenção.
Na medicina tradicional chinesa a doença muitas vezes se deve a um desequilíbrio da energia Chi, que seria a energia vital. De certo modo somos materialistas e não levamos em conta o corpo energético que possuímos, e terapias como acupuntura, shiatsu e assemelhadas auxiliam nesse livre fluir do Chi, bem como as artes marciais. E também um órgão está em relação com outro, sendo que muitas vezes o desequilíbrio de deve não diretamente a doença, mas a algo que dentro de determinado circuito do corpo, onde trafega a energia. Esse circuito se chama meridiano.
Sobre câncer de mama, em livro “A doença como linguagem da alma”:
"Aquilo" atingiu a afetada no lugar mais sensível, nas proximidades do coração, e ela o guarda para si, não deixando que ninguém perceba o quanto está ferida e zangada. O corpo, portanto, precisa mostrar o que está realmente acontecendo. E é o inferno que pulsa em seu seio, o coração tornado literalmente antro de assassinos.
A cura pelo pensamento e pela fé é possível. Isso já tentei expor em meu livro “Metas para uma vida feliz”, que escrevi junto com Janete Dopke, onde fiz um questionário de autoanálise para que leitor responda. Um modo bom de reprogramar pensamento é através da oração e da meditação. O que falta às pessoas é um bom hábito de se desligar da rotina estressante e um pouco do excesso de trabalho e estudo, e principalmente com situações de conflitos pessoais e contatos com computadores e eletrônicos em excesso.
Luiz Antonio Gasparetto faz uma lista de pensamentos que criam as doenças. Também os que curam as mesmas. Por exemplo a espinha: significa pensamento de não se aceitar, não se gostar. - A alergia é alergia de alguma pessoa ou mesmo aversão do mundo. A bronquite se deve a irritação com a família. Problema do coração é problema emocional sério, algo que marcou profundamente,tendo rejeição da vida. - Dor nas costas pode se dar por excesso de responsabilidade, a pessoa carrega um peso psicológico maior que consegue suportar. Problema nas pernas é medo do futuro, porque elas nos levam para frente. E assim por diante, as doenças são uma linguagem.
Espíritas falam que certas doenças são uma preparação para a morte, pois nem todas as pessoas estão preparadas para desencarnar. Outras vezes as doenças se devem por lei de ação e reação, e sobre erros de vidas passadas, comportamentos inadequados a evolução do espírito. Uma pessoa com certa limitação assim teria abusado da mesma função em vida passada, e ela mesma muitas vezes teria escolhido esse meio de expiação. A escola da vida por fim vem para que haja o progresso do ser. Muitas vezes a causa do mel está ligada de forma evidente, no exemplo de quem derramou sangue em vida passada e agora na presente vida possui anemia ou mesmo até leucemia.
Também a seicho-no-iê ensina que grande parte dos problemas se deve com conflitos familiares e ainda com antepassados. Isso também nos leva a etnopsiquiatria, onde aspectos como a cultura devem ser levados em conta. Logo uma pessoas de família fortemente cristã deveria procurar uma confissão para encontrar a cura, ou se uma pessoa de família de seita africana, um ritual específico de sua seita. Alguém com família supersticiosa deveria procurar uma benzedeira, e a prática prova que isso funciona.  
            Por fim a Rosacruz tem é a escola mística mais focada na cura e na terapêutica, usando de certa forma de imposição das mãos, sendo de certo modo continuadora de essênios com (quem teve relação Jesus, e que se vestiam de branco, cuidavam de doentes etc), bem como de terapeutas antigos, seita de cunho quase esotérico. Vemos que o cristianismo desde o início foi focado na cura e que mesmo no mundo todo há alguma forma de terapêutica, seja material, seja energética ou espiritual.
(excerto de programa de rádio Filosofia é liberdade, na 87,9 FM, Liberdade FM, que vai ao ar todo o sábado, às 21:40, com Cléverson Israel Minikovsky)

Comentários

  1. Mais uma vez conseguiram furar nosso programa e reprisar o que já havia sido exibido. É uma pena que as trevas queiram estancar nossa sabedoria. Fica para a semana que vem, de todo modo nesta semana gravamos sobre o tema "morte". Respeitosamente, CLÉVERSON ISRAEL MINIKOVSKY

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Medicina Oculta – Comportamentos que geram doenças

Por que às vezes nos achamos feios?

Paradoxos e mentiras do nosso tempo