Filme Melancolia e personalidade feminina

Filme Melancolia e a personalidade feminina

            Nessa produção de Lars von Trier, que faz bem no seu estilo um cinema que se aproxima do cinema arte, de tal modo que vemos cenas fixas e a não preocupação com ação ou coisas corriqueiras que vemos no cinema comercial. Ao colocar o filme, achei que havia travado meu aparelho, mas era o jogo de cenas que na arte parecia estático, mas em verdade se revelava um resumo de todo o drama. Apesar disso, o filme foi lançado comercialmente, mesmo mantendo o estilo de filmagem de câmera solta no ombro, e às vezes parecendo algo amador.
            Aqui, de longe me pareceu de início uma revelação da personalidade feminina, no seu antigo ideal, o casamento, numa parte, e na outra parte uma vontade de fim do mundo, ou melhor, Eros em primeira parte e Anteros na segunda, pulsão de vida e de morte. O fim especial me lembra Shakespeare, e mesmo os contos que eu mesmo escrevo. O filme é realista e não economiza cenas para revelar a crise existencial de Justine.
            Ótimas fotografias, apesar de que vemos a computação gráfica, revelam ainda u ar bem luxuoso, da mansão ou castelo que é alugada para o casamento. Há um livro chamado “She: a chave da personalidade feminina” que revela bem essa dinâmica de uma existência para o casamento. Vemos assim o sonho se misturando com a realidade, ou melhor, a libido poligâmica se misturando com a fábula do amor perfeito, e a protagonista já trai o marido na festa de casamento, com um jovem que trabalha na empresa de publicidade onde ela é promovida. O casamento se revela em muitos imprevistos, atrasa, a limusine encalha, desencontros entre noivos, o bolo que e partilhado e a bebida para descontrair. O casamento é uma morte simbólica, uma iniciação para a mulher, ou, pelo menos era no passado. Ponto focal é a voz da mãe da noiva, que revela toda a farsa do casamento e do amor apaixonado.
            Na segunda parte do filme há mais uma vontade para o fim, e a protagonista já separada fica cuidada pela irmã. Lá ela enlouquece de vez e frente ao fim do mundo previsto, ela fica tranquila e realizada. Anda a cavalo, se deita nua em um bosque próximo ao aras. A bela atriz Kirsten Dunst também se revela o sonho da maioria dos homens, e isso parece se revelar na imagem de sua montaria. A segunda parte parece uma TPM. A sua irmã Claire fica desesperada pelo fim do mundo que se aproxima e tenta salvar o filhinho. Seu marido cientista diz que nada vai acontecer e por fim se suicida. As irmãs se encontram por fim e constroem manualmente uma cabana. O lar simbolizando o aconchego, e aqui apenas resta o lar espiritual, já que o mundo carnal terá um fim.
            Lars von Trier já é de longa data procurado por mim, e aqui nessa produção, e em outras, como o Anticristo, e ainda a Ninfomaniac (que parece mais uma chave da personalidade feminina...), se revela algo original e verdadeiro gênio, longe do cinema que cada vez mais fica enlatado e se vê como um grande labor de galpão, temperado com computação gráfica e enredo cada vez mais pobre, e temas clichês. Gostei de Melancolia por ser melancólico, por ser sincero em ficar triste nas horas certas. Há muito fingimento em nosso tempo, e as pessoas estão hipnotizadas pela necessidade de não passar por transformações, como a mulher em seu casamento, naquela morte simbólica, que ainda é acompanhada pelo nascimento do filho, posteriormente.   

Comentários

  1. Mariano: parece-me que o filme é rico na medida em que transmite uma mensagem empregável como lição de vida, de vida cotidiana e espiritual. Na verdade, a autêntica sabedoria sempre deve contemplar simultaneamente ambas as dimensões porque do ponto de vista ontológico são indissociáveis, exceção que só epistemológicamente consegue se concretizar. Parece-me, pelo que vc escreveu, que o filme valeu à pena mesmo. Lamento, talvez isto não seja por acaso traduzindo nossa humana limitação, que, diferentemente da Bíblia, as mais elevadas mensagens espirituais alheias à tradição judaico-cristã, não brotem daquele realismo que cinge a realidade. CLÉVERSON ISRAEL MINIKOVSKY

    ResponderExcluir
  2. Ja assisti esse filme lembra que te falei que era meio paia hsushaushuas

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Medicina Oculta – Comportamentos que geram doenças

Por que às vezes nos achamos feios?

Paradoxos e mentiras do nosso tempo